Bate-Bola | Pedro Nogueira/Da Redação | 24/05/2011 01h44

Bate-Bola: Carlos José Lopes Fernandes

Compartilhe:

Carlos José

Formado em Educação Física na UFMS, Carlos José sempre esteve envolvido em eventos esportivos, até que surgiu proposta de organizar um campeonato de sinuca.

Apaixonado pelo esporte por influência do pai, Casé, como é conhecido o presidente da Federação de Sinuca, está prestes a deixar o cargo e contou em conversa ao Esporte Ágil tudo que vivenciou nestes anos a frente da sinuca no Estado.

Esporte Ágil-  De onde veio o seu interesse pela sinuca?

Carlos José - Meu interesse pela sinuca veio por causa do meu pai, que sempre jogou. Ele jogava comigo e eu era muito ruim, então resolvi aprender. Treinei e aprendi e hoje continuo perdendo, mas dou mais trabalho. Comecei a jogar com 35 anos e trabalho com sinuca já faz uns dez anos. Um dia, o pessoal que era da federação pediu para eu organizar um campeonato interno de sinucas e gostaram da forma que eu trabalhei e me convidaram para ser presidente da Federação de Sinuca do Mato Grosso do Sul.

EAComo foi quando você assumiu a Federação?

CJ-  A Federação existe no Estado desde 1984. Fizeram um estadual naquela época e mais nada. Eu quando assumi, resolvi montar diretoria e mexer. Regularizei a federação e a coloquei na Confederação Brasileira de Sinuca e realizei dois campeonatos. Foi pouco, tive dificuldades. Não consegui apoio nenhum, muito menos patrocínio.  Em 2009 fizemos o estadual de sinuquinha e depois, levamos atletas para disputar o Campeonato Brasileiro de Sinucão em Curitiba. E fomos bem, o Lucio Montelo ficou entre os oito melhores. Na época consegui passagens e apoios, mas só naquela ocasião.

EAExiste apoio público e/ou privado para a sinuca no Mato Grosso do Sul?

CJ - Para viajar para competir fora existem custos, hospedagem, alimentação, passagem, é preciso de apoio. Para fazer competições no Estado existem custos. E tirando o caso de Curitiba, nunca mais a sinuca recebeu apoio ou patrocínio e não conseguimos desenvolver seqüência. É complicado, você trabalha, não tem reconhecimento e desanima. Apresentei projeto para o governo e eles dizem que tem pouca verba para o esporte e que dão preferência aos projetos que estão lá faz tempo. Só que no governo anterior a preocupação era maior com qualquer tipo de federação. Existia o rankiamento, eu tinha direito a uma verba de acordo com o que eu produzia de campeonatos no Estado, é mais justo. Qualquer federação tinha oportunidade de receber recursos.

EAComo você vê a imprensa esportiva no Estado? A sinuca é divulgada?

CJ-  A única divulgação aqui no estado é o site do Lucio(www.sinucams.com.br), que é bem feito, todo torneio de sinuca de bairro que tem aparece lá informações, quando, quanto , onde. Mas precisávamos de algo maior, campeonatos mais sérios, organizados , oficiais e que a imprensa sul-mato-grossense cobrisse em peso, um grande evento.

EA-  Muita gente não considera sinuca um esporte. A sinuca é mal vista pelos esportistas por ser tradição em bares?

CJ-  O que existe é falta de informação por parte das pessoas A sinuca foi formalizada como esporte em 1988 , é reconhecida como esporte, afinal existe federações e confederações brasileiras, sul-americana, internacional. A sinuca está vinculada a imagem da pessoa que vai para o bar tomar cerveja e que briga por causa da sinuca e não por causa da cerveja que tomou. No futebol a briga é por causa da bebida mas na sinuca é culpa da sinuca. O esporte ficou com a imagem de malandragem, bebida e fumo. É um esporte que todo mundo já jogou um pouco, mas precisava acontecer esta desmistificação para ele crescer e se desenvolver mais no Brasil e no Mato Grosso do Sul.

EA- Você pode deixar a Federação em breve, como foi sua gestão? O que espera do próximo presidente?

CJ-  Entrei em 2007 e minha gestão era até o ano passado mas como ninguém entrou eu estou continuando provisoriamente. O Lucio Montelo, um dos melhores jogadores de sinuca da atualidade no Estado disse que queria pegar a Federação este ano, mas ainda não me procurou. Minha gestão foi decepcionante para mim, gostaria de ter feito muito mais e não pude, não tive condição, conseguimos ajuda uma vez ou outra, quando precisamos de apoio, encontramos dificuldades. O ideal seria um campeonato organizado a cada dois meses, em horário normal, nada de virar a madrugada jogando como acontece nos campeonatos amadores. Gostaria de ter feito muito mais do que fiz, e que o próximo faça um bom trabalho e conte comigo, sou apaixonado pela sinuca, e estou apto a apoiar a sinuca no MS.

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS