Entrevistas | Gabriel Sato | 15/04/2020 12h55

Zequinha Barbosa vem ao Brasil e concede entrevista ao EA TV

Compartilhe:

José Luis Barbosa ou popularmente conhecido como Zequinha Barbosa, é o entrevistado dessa edição do Esporte Ágil TV. Nascido na cidade de Três Lagoas, o ex-atleta é o quinto filho em uma família de seis irmãos. Hoje, mora nos Estados Unidos na cidade de San Diego, Califórnia, e trabalha como técnico de atletismo e cross country em nível escolar e universitário. Zequinha também trabalha com condicionamento físico no alto rendimento em várias modalidades de esportes, e contribui para que atletas de alto nível melhorem sua performance.

Para quem não se lembra de Zequinha, aí vai um breve resumo de seus feitos nas provas de 800 metros: prata no Pan-Americano de Caracas (1983), bronze no Mundial de Roma (1987), ouro no Mundial Indoor de Indianapolis (1987), sexto lugar nos Jogos Olímpicos de Seul (1988) prata no Mundial Indoor de Budapeste (1989), prata no Mundial de Tóquio (1991), 4º Lugar nos Jogos Olímpicos de Barcelona (1992), ouro no Pan-Americano de Mar del Plata (1995), primeiro atleta da América Latina a vencer o Circuito Mundial de Grand Prix e ranqueado número 1 do mundo, em 1991.

Dono de um currículo invejável e especialista nas provas de meio fundo, Zequinha revela em entrevista ao Esporte Ágil, que de todos os seus títulos, aquele que mais lhe marcou, quase ninguém comenta: o título do Troféu Brasil em 1983. Segundo ele, foi a conquista que fez sua carreira mudar de patamar, e conseguir morar nos Estados Unidos da América. “Ir para os ‘states’ era como ganhar na loteria. Naquela época, as chances eram pequenas, e eu tive a oportunidade e abracei para poder melhorar meu rendimento e me tornar melhor do mundo. Lá, estão os melhores e eu queria estar naquele meio.”

Zequinha foi  primeiro atleta latino-americano a vencer o Circuito Mundial de Grand Prix (Foto: Reprodução)

As dificuldades no novo país não foram barreiras para o ex-atleta, mesmo sem falar inglês e a temperatura completamente diferente dos 40 graus de Três Lagoas, Zequinha encontrou no seu passado, a força para seguir seu caminho. “Minha primeira negociação no atletismo não foi um agasalho, tênis ou roupa, foi comida. Saí de Três Lagoas e fui treinar em Araçatuba, e lá eu disse para o treinador que não tinha saído da minha cidade para passar fome, então eu iria treinar se tivesse comida. Foi uma negociação fácil, e de lá fui para Guarulhos e ganhei bolsa para morar nos Estados Unidos”.

Quatro Olimpíadas, nove Mundiais e três Pan-Americanos, e para o três-lagoense todas as competições tinham o mesmo foco e peso. De acordo com ele, a principal importância era treinar para atingir seu potencial e manter o foco, pois para quem não tem nada, e de repente tem tudo, é muito fácil perder a concentração. “Você negocia comida, e de uma hora para outra você está em hotel cinco estrelas, recebe presidente, papa, ou você tem a cabeça no lugar ou fama faz você se perder”.

Zequinha comemora vitória na prova dos 800m rasos, válida pelo Grand Prix de 1992 (Foto: Acervo/Gazeta Press)

Corrida Zequinha Barbosa

Para Zequinha, na vida é necessário ter quatro características para chegar ao sucesso, que ele sempre fala em suas palestras: disciplina, coragem, determinação e a perseverança.

A vinda do melhor do mundo de 1991 ao Brasil tem um motivo especial. No dia 31 de maio, acontece em Campo Grande a Corrida Zequinha Barbosa, prova que tem um caráter beneficente, com objetivo de ajudar a Cotolengo.

Para quem quiser participar da corrida é necessário a contribuição de com alimentos 2 quilogramas de alimentos, e Zequinha já avisa e está no regulamento, quem não levar o alimento, não participará da prova. “Precisamos ajudar essas pessoas, e o que eles mais precisam é de alimentos. Então peço a colaboração de todos que puderem ajudar”. Revela o ex-corredor.

(Imagem: Divulgação)

Cotolengo

Fundada em 20 de julho de 1996 em Campo Grande, o Cotolengo Sul-Mato-Grossense atende crianças com paralisia cerebral grave vindas de famílias carentes. Atualmente, pouco mais de 150 meninos e meninas com idades até 22 anos recebem atendimentos específicos como fisioterapia, nutrição, fonoaudiologia, pedagogia, terapia ocupacional, psicologia, enfermagem, assistente social entre outros voltados para proporcionar conforto e qualidade de vida aos pequeninos.

Na Capital de Mato Grosso do Sul, o Cotolengo está localizado na rua Jamil Basmage, 996, bairro Mata do Jacinto. Com a ajuda do voluntariado, eventos são realizados todos os meses no intuito de garantir fundos para a entidade, que se mantém unicamente de doações.

Há diversos Pequenos Cotolengos no Brasil. Os religiosos orionitas não medem esforços para fazer dos Pequenos Cotolengos uma obra não só de caridade, mas principalmente evangelizadora.

(Foto: Óscar Daniel)

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS