Prova mais antiga da canoagem brasileira tem nova edição

"/>
Canoagem | Lucas Castro/Fundesporte | 06/01/2020 11h17

Prova mais antiga da canoagem brasileira tem nova edição

Compartilhe:

A histórica Prova de Canoagem Santa Delfina chegou à 33ª edição nas águas do Rio Aquidauana, no último sábado (30). Considerada a mais antiga do Brasil, a disputa foi referente à quinta etapa do Campeonato Estadual da modalidade, que encerrou a temporada 2019. Ao todo, 63 canoístas estiveram no Portal do Pantanal para o certame.

A prova foi realizada pelo Clube de Canoagem de Aquidauana, com supervisão da FCaMS (Federação de Canoagem de Mato Grosso do Sul), teve a parceria da Prefeitura de Aquidauana, por meio da Fema (Fundação de Esportes do município) e da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo. A Fundesporte (Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul) deu apoio à competição, junto à Sanesul (Empresa de Saneamento Básico de Mato Grosso do Sul) e ao 1º Subgrupamento do Corpo de Bombeiros de Aquidauana.

Pioneirismo e tradição

A canoagem em Mato Grosso do Sul praticamente nasceu no Rio Aquidauana. No Estado, a modalidade foi iniciada por profissionais de educação física de Campo Grande, que se deslocavam à cidade pantaneira para remar. Da Capital, os precursores foram José Carlos Zanolo, Ubiratan Dalmati, José Loureiro (Zelão) e Arthur Padial.

“Foram essas pessoas que compraram os primeiros caiaques no Estado, que, na época, só vinham de fora. Eles eram campo-grandenses, mas como Campo Grande não tinha local para remar, eles iam para o Rio Aquidauana, no distrito de Palmeiras e na própria Aquidauana, locais propícios por serem próximos à Capital”, destaca o presidente da FCaMS, Rafael Girotto. Posteriormente, em Aquidauana tomaram a frente da modalidade Roberto Girotto, Valtemir Nogueira e Fauzi Suleiman.

Em 1987, com a realização da Feira do Peixe, em Aquidauana, o grupo pioneiro de canoístas foi convidado a fazer uma prova de canoagem para celebrar o evento. Após procurarem saber a respeito da história do Rio Aquidauana e dos pescadores da região, descobriram que a primeira embarcação a navegar naquelas águas chamava-se Santa Delfina, um navio cargueiro, a vapor, que trazia mantimentos aos moradores da então Vila de Aquidauana.

“Esse grupo, junto à Prefeitura na época, decidiu batizar essa prova de Santa Delfina, em homenagem à embarcação. Um ano depois, foi criada a Federação de Canoagem do Estado e, consequentemente, o primeiro Campeonato Estadual. Desde então, a prova Santa Delfina sempre se manteve no calendário oficial da canoagem sul-mato-grossense, tornando-se hoje a prova mais antiga do Brasil, que acontece há mais tempo sem interrupções”, relata Girotto.

Inicialmente, a largada era em Palmeiras, distrito de Dois Irmãos do Buriti, e chegava à Prainha de Anastácio. Com o passar dos anos, por questões de logística, o percurso diminuiu até chegar ao formato atual, organizado em 16 quilômetros, com início no distrito de Camisão e chegada na Ponte Velha, em Aquidauana.

“Santa Delfina é uma prova que tem um glamour. Fazendo uma analogia com as competições de rua, pode ser comparada à São Silvestre, por exemplo. É uma prova que sempre encerra o Campeonato Estadual e o calendário. Então, tem a parte competitiva por ser final de campeonato, vale pontos, mas muitos atletas que não estão brigando pelo título fazem questão de ir à Santa Delfina para participar, porque, acima de tudo, é uma grande confraternização, momento no qual todos os praticantes de canoagem se encontram para descer o Rio Aquidauana, historicamente importante à modalidade”, finaliza Girotto.

Confira os resultados da 33ª Prova de Canoagem Santa Delfina:

Categoria turismo
1° - Cristiano Nunes Quevedo da Silva, Aquidauana, tempo de 01:12:20
2° - Joaquim Gabriel Neris, Aquidauana, tempo de 01:12:46
3° - Régis Augusto Freire Alem, Três Lagoas, tempo de 01:17:53

Categoria feminino open
1° - Bárbara Marinho Azevedo, Campo Grande, tempo de 01:12:59
2° - Luiza Duarte Cavallieri, Aquidauana, tempo de 01:14:03
3° - Nicole Keppke Lopes, Campo Grande, tempo 01:16:57

Categoria feminino máster
1° - Rosa Sanches, Bonito, tempo 01:24:38
2 ° - Michele dos Santos Bezerra, Três Lagoas, tempo de 01:25:36
3° - Carmem Lúcia Dias de Andrade Santos, Campo Grande, tempo de 01:26:13

Categoria sênior masculino
1° - Wanderley da Silva dos Santos, Anastácio, tempo de 01:05:27
2° - Daniel Cavalcanti Hayashi, Campo Grande, tempo de 01:07:02
3° - Gustavo Miranda Figueiró, Campo Grande, tempo de 01:11:56

Categoria máster, acima de 40 anos
1° - Flávio de Souza Reverdito, Bonito, tempo de 01:06:56
2° - Epifânio Luiz de Oliveira, Anastácio, tempo de 01:09:04
3° - Eurípedes Luis da Silva Filho, Bonito, tempo de 01:10:10

Categoria super máster, acima de 50 anos
1° - Wilson Hiroshi Hayashi, Campo Grande, tempo de 01:12:34
2° - Cipriano Martins, Anastácio, tempo de 01:14:14
3° - Rubens Braga Romcy, Aquidauana, tempo de 01:15:34

Categoria júnior masculino
1° - Edgar Silva Balbuena, Aquidauana, tempo de 01:00:38
2° - Guilherme Marcos de Andrade, Aquidauana, tempo de 01:08:17
3° - Pedro Henrique Moura Ávila, Campo Grande, tempo de 01:08:32

Categoria iniciante masculino
1° - Gabriel Figueiredo Velasque, Aquidauana, tempo de 01:15:47
2° - Wanderson Gomes de Arruda, Aquidauana, tempo de 01:19:46
3° - Gabriel Girotto, Aquidauana, tempo de 01:30:47

Categoria iniciante feminino
1° - Ana Clara Silvestre de Oliveira, Três Lagoas, tempo de 01:35:40
2° - Thalyta de Freitas Torres, Três Lagoas, tempo de 01:35:44
3° - Sthefani Balbuena, Aquidauana, tempo de 01:36:45

Categoria k1 Olímpico
1° - Rafael Girotto, Aquidauana, tempo de 01:08:28
2° - Diego Barbosa Souza, Aquidauana, tempo de 01:09:40
3° - Thiago Constantino, Campo Grande, tempo de 01:11:04

Categoria paracanoagem
1° - Patrick Pisoni, Campo Grande, tempo de 01:12:21
2° - Roberto Giovani Pellini, Bonito, tempo de 01:14:47

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS